28/01/2020

Programação 16ºFIM: 01/02 - SÁBADO


Local: Sede da Sintracom 
Sindicato Dos Trabalhadores No Comércio 
Endereço: Av. Iracema Carvão Nunes, 644, próximo a praça da Bandeira


19h: 
GAMBIARRA: A FESTA DO FIM
+DIVULGAÇÃO DA PRODUÇÃO VENCEDORA DO 5º PRÊMIO GENGIBIRRA 
Proibida entrada de menores de 18 anos

Entrada: R$10

Programação 16ºFIM: 31/01 - SEXTA-FEIRA


Local: Centro de Difusão Cultural João Batista de Azevedo Picanço
Endereço: Av. Fab, 86 
Entrada Franca


18h30
MOSTRA FÔLEGO 
Classificação indicativa: +14


+VOTAÇÃO POPULAR DO 5º PRÊMIO GENGIBIRRA DE AUDIOVISUAL


Casa de axé, tempo da memória e o Sacerdote Salvino de Jesus
Silvia Marques e Maria Cordeiro
2019
23:58
Macapá/Amapá/Brasil
Livre
As reflexões dispostas no documentário colocam em perspectiva as particularidades do culto afro-religioso e suas formas diversas de expressão em diálogo com as transformações sociais que a urbanização na Amazônia vem impondo ao habitante da cidade, considerando que o espaço urbano é um local de convívio, que permite relações sociais entre duas vidas tipicamente contrastantes. Cria-se aqui um importante diálogo estabelecido entre o terreiro de candomblé e a cidade. Esse fio de reflexão foi o que nos motivou para pensarmos a dinâmica histórica, imaginativa e comunicacional da cidade com o terreiro do Unzó Lunda Nkissimbi Junsara.

Flow Marabaixo

Carlos Alberto
2019
3min 59seg
Macapá-Amapá-Brasil
Livre
Videoclipe da música Flow Marabaixo do rapper amapaense Pretogonista com participação do músico Paulinho Bastos.

Game Over

Beatriz Galdino
2018
9:25
Macapá - Amapá - Brasil
12 anos
Jubyscleisson, junto com seus amigos, parte em uma aventura num mundo completamente diferente. Será que eles se tornarão Mestres desse mundo ou será Game Over?

Madalena

Fabio Ramos
2018
3:17
Macapá-Amapá-Brasil
Livre
O clipe “Madalena” produzido e dirigido pela Caribé Filmes, foi resultado da troca entre os trabalhos das MCs Deeh (AP) e Anna Suav (PA). O trabalho fala sobre o empoderamento de mulheres, fazendo alusão ao julgamento histórico vivido por elas, citando a representação bíblica de Madalena. O som instiga a reflexão sobre as cobranças de moralidade feitas exclusivamente à meninas e mulheres, sexualização dos corpos femininos iniciada na infância, emancipação financeira como alicerce do processo de empoderamento das mulheres negras.


Meu diário
Paulo Andrey
2018
20:12
macapá - Amapá - Brasil
12 anos
Um diário ... um segredo ... uma dor! O que será que Elisabeth esconde em seu coração?

Oi, Colorida

Rodrigo Aquiles Santos
2018
2min 15seg
Macapá-Amapá-Brasil
Livre
Video-promo do brechó Oi, Colorida. Final de 2018. Espaço. Luz policromática é vista por satélite. Energia intensa detectada e impossível de ser controlada por tecnologia avançada. Rebeldes! Pequenos pontos de luz movimentando-se como uma dança. Parecem humanos. Parecem artistas. Parecem meteoros. Parecem festa. Parecem querer dizer algo. E estão se comunicando com muito glamour. Reinventando regras, resignificando conceitos. Concentrados e seguros na força da intuição. Alimentando-se de inspirações, inquietos por experiências. Motivados no SIMPLES fato de existir. Afinal de contas, seriam loucos? Por que vestem o que querem? se expressam como querem? Insistem e resistem? Por que tão LIVRES? E por que NÃO? Um grito ecoa no universo: ACREDITAR! Invasão iniciadíssima...


Os Galibi - Marworno
Dir.: Coletivo Galibi-Marworno de Audiovisual
2019
20 minutos
Oiapoque - Amapá 
Livre
Sinopse: Os Galibi-Marworno é um povo que vive nas Terras Indígenas Uaçá, Juminã e Galibi, no extremo norte do Brasil, estado do Amapá. O documentário é narrado pelos próprios indígenas em língua Kheuól, legendado em português, apresentando onde vivem e como vivem. A narrativa dos participantes gira em torno da preocupação das mudanças rápidas que estão ocorrendo com a cultura e a língua, atingindo principalmente os jovens. O documentário é o resultado do trabalho desenvolvido durante as oficinas de ‘Filmagem e Edição’ realizadas em setembro de 2017 e abril de 2018, no âmbito do projeto “Valorização das Línguas Crioulas do Norte do Amapá”, na aldeia Kumarumã pertencente ao povo Galibi-Marworno.

Os Karipuna de Uaçá

Dir.: Coletivo Karipuna de Audiovisual

2019

20 minutos
Origem do filme: Oiapoque - Amapá 
Livre
Sinopse: Os Karipuna é um povo que vive nas Terras Indígenas Uaçá, Juminã e Galibi, no extremo norte do Brasil, estado do Amapá. O documentário é narrado pelos próprios indígenas em língua Kheuól, legendado em português, apresentando onde vivem e como vivem. A narrativa dos participantes gira em torno da preocupação das mudanças rápidas que estão ocorrendo com a cultura e a língua, atingindo principalmente os jovens. O documentário é o resultado do trabalho desenvolvido durante as oficinas de ‘Filmagem e Edição’ realizadas em setembro de 2017 e abril de 2018, no âmbito do projeto “Valorização das Línguas Crioulas do Norte do Amapá”, na aldeia Santa Isabel pertencente ao povo Karipuna.
Quando o Coração Parte Mais Alto
Dire.: Ocorre
2019
4 minutos
Macapá - Amapá - Brasil
Livre
A fotografia em estilo vintage apresenta os personagens compartilhando afetos pelas ruas da cidade valorizando o amor afrocentrado, laços afetivos mostrando diversas formas de amar valorizando a sensibilidade de pessoas negras em seus relacionamentos. Casais se perdem em tecnologias e redes sociais enquanto outros aproveitam os momentos na vida real.

Savanas do Amapá

Angélica Martínez
2019
16 minutos
Amapá-Brasil
Livre
O interesse pela conservação de uma espécie de primata em perigo de extinção levou a uma equipe de jovens até as savanas do Amapá. Ao escutar as histórias dos moradores locais sobre o passado e o presente, surgiram dúvidas sobre como será o futuro.

Seu Joaquim

Raycilana Guedes
2018
15:50
Macapá - Amapá - Brasil
10 anos
Seu Joaquim, um aposentado viuvo que adora curti um baile da saudade com os amigos, nos mostra uma face da terceira idade que muitos fingem não enxergar.


Xandoca
Dir.: Davi Marworno e Takumã Kuikuro
2019
20 minutos
Oiapoque - Amapá 
Livre
Sinopse:  Dona Alexandrina, também conhecida por Xandoca, é uma anciã indígena do povo KARIPUNA. Ela conta um pouco da sua história e da aldeia Santa Isabel, terra indígena UAÇÁ, no município de Oiapoque, no Amapá 

Observação: Só tem direito a voto quem assiste à sessão completa! 

Programação 16º FIM: 30/01 - QUINTA-FEIRA


Local: Centro de Difusão Cultural João Batista de Azevedo Picanço
Endereço: Av. Fab, 86 
Entrada Franca


18h30:
MOSTRA SAMAÚMA
Filme:




NEWLIFE S.A.
Dir.: André Carvalheira, 2018
Classificação indicativa: +14
Augusto é um jovem arquiteto bem-sucedido que planejou um grande condomínio em
Brasília onde seus habitantes viveriam uma nova vida. Um condomínio com as virtudes de
um homem novo, uma sociedade nova, o New Life. No entanto, a utopia de Augusto
se choca com a realidade ao seu redor.


19h50: 
MOSTRA SAMAÚMA


Filme convidado:
BREVE MIRAGEM DE SOL
Dir.: Ericky Rocha, 2019

Classificação indicativa: +14

Programação 16º FIM: 29/01 - QUARTA-FEIRA


Local: Centro de Difusão Cultural João Batista de Azevedo Picanço
Endereço: Av. Fab, 86 
Entrada Franca


18h30:
ESPECIAL GORE DE JOEL CAETANO
Classificação indicativa: +14
Filmes: 
Casulos, 2019











Cova Humana, 2019












19h:
PAINEL: O LONGO PROCESSO DE FAZER UM LONGA
Convidados: 
Célio Filho - cineasta, diretor do longa Amanda
Rosana Oda - Produtora do longa Amanda
Classificação indicativa: Livre


20h
SESSÃO SAMAÚMA
Filme:




SARRAFO: UM ENSAIO SOBRE A VIDA
Dir.: Gabriel Lima, 2019
Classificação indicativa: Livre
Entrada Franca
O saxofonista centenário Amintas José da Costa, mas conhecido como Sarrafo, foi
testemunha ocular da história do Brasil no séc. XX. Aos 100 anos de idade, o compositor e
instrumentista tem muita história para contar sobre como sobreviveu a segunda guerra
mundial e sobre sua experiência com a censura durante o regime militar de 64. O filme
é uma produção independente da Grande Rio em que o diretor Gabriel Lima narra a vida
do personagem através dos acontecimentos históricos pelos quais passou e faz uma reflexão
a respeito do próprio fazer cinematográfico, como em um fio de contas, entrelaça os
fatos históricos com os fatos da vida do personagem e com as questões do próprio processo
de produção, gerando um filme de documentário biográfico, mas que levanta
questões sobre a memória e o esquecimento, a vida e a morte, a luta e a resistência, a
censura e a liberdade.

Programação 16º FIM: 28/01 - TERÇA-FEIRA


Local: Centro de Difusão Cultural João Batista de Azevedo Picanço
Endereço: Av. Fab, 86 


18h30:
MOSTRA  MISCELÂNEA  
Classificação indicativa: +14
Entrada Franca
Filmes:

Impulso Heifara Nascimento e Morzara Magalhães , 2019 20min    Itajaí - Santa Catarina - Brasil     16 anos    Antonella, uma Dj livre e intensa, imersa em suas complexidades, se vê refém
da ansiedade em um ápice caótico de sua vida. Em busca do autoconhecimento
ela encontra uma terapia alternativa, onde compreenderá seus medos e traumas.

Martelo, bigorna e estribo    J.P. Moraes/2019 19 min    Rio de Janeiro-RJ-Brasil    14 anos    Luísa é uma técnica de som. Marina é uma atriz. As duas são vizinhas, separadas
por uma parede que vai ficando cada dia mais fina.

A menina Banda    Breno César, 2018    21 minutos    Amaraji - Pernambuco - Brasil    Livre    A menina banda" é um curta metragem de ficção, influenciado pela literatura
de realidade fantástica. Num vilarejo silencioso, uma menina tem a capacidade
de produzir sons musicais a partir de seu próprio corpo. Num mergulho através dos
eventos fantasiosos da infância, o filme traz a metáfora da travessia do amadurecimento
pessoal, e tenta mostrar de maneira poética e sensível a construção da música interior
de cada um.

Malandro de Ouro    Flávio C. von Sperling/2019    30 min Belo Horizonte - MG    14 anos    "Na esperança do mais alto pedestal O teu castelo ruiu Numa poeira infernal"

DragNostra    PV Vidotti/2019    13 minutos    Cuiabá, DF, Brasil    16 anos   
Um roubo de banco feito por uma família de DragQueens mafiosa.


20h20
MOSTRA QUINTESSÊNCIA
Classificação indicativa: +14

Entrada Franca
Filmes:



Em Cima do Muro
Hilda Lopes Pontes, 2019
15 min
Salvador, Bahia, Brasil
10 anos
Mergulhada numa depressão profunda, Amélia tenta encontrar nas redes sociais
uma aprovação dos seus seguidores, mas, sua falta de bom senso quebrará todas as
suas expectativas de se tornar uma digital influencer.



Uma parte de mim vive no útero (a outra fugiu de casa)
Leonard Collette e Mariana Silveira, 2019
03 min
Covilhã - Castelo Branco - Portugal
10 anos
Um eu lírico busca pela soma de todas as suas partes fazer-se inteira. No entanto,
o todo é maior do que a soma de todas as partes.



Concreto Cinza Abstrato
Henrique Grise, 2018
11 min
São Paulo-SP-Brasil
Livre
Um homem e uma mulher se encontram numa passarela da cidade.



O Sorriso de Felícia
Klaus Hastenreiter, 2018
17 min
Salvador/BA/Brasil
10 anos
Felícia está numa festa onde ser diferente trará punições inesperadas. Para fugir de
sua situação, ela tem como arma a resistência.



Lyz Parayzo Artista do Fim do Mundo
Fernando SanTana
2019
15
Rio de Janeiro RJ
14 anos
Gravada no Rio de Janeiro, a obra independente acompanha o inicio da trajetória
artística de Lyz Parayzo, artista visual que através de suas obras e performances, coloca
em discussão qual o espaço da arte em um corpo não binário provindo da periferia.
Lyz, tem o corpo como principal suporte de trabalho e sua performatividade diária como
plataforma de pesquisa revelando o descompasso entre o que se diz, o que se faz, o
discurso e a prática. Pela falta de autorização, pela intromissão, pela inclusão não
desejada, questionando a escola livre que não permite se libertar, a galeria de arte
que não inclui o não vendável, o espaço institucional que assimila a transgressão desde
que já incorporada pelo sistema.



Kopacabana
Marcos Bonisson & Khalil Charif, 2019
13 min 
Rio de Janeiro - RJ - Brasil
10 anos
Filme ambientado no bairro de Copacabana, elaborado através de uma colagem
de imagens atuais e de arquivo (Super 8 e digital). Um trabalho experimental narrado
pela fala significante do poeta Fausto Fawcett, e sonorizado pelo músico Arnaldo Brandão.



Estranho Animal
Arthur B. Senra, 2019
05 min
Brasília/DF-Belo Horizonte/MG-Brasil
14 anos
Estranho animal a ditadura: homens sem asas, pássaros sem pés.

27/01/2020

Programação 16º FIM - Segunda-feira 27/01/2020



Local: Centro de Difusão Cultural João Batista de Azevedo Picanço
Endereço: Av. Fab, 86 
Entrada Franca


18h30: 
PAINEL: CINEMA, MEMÓRIA E RESISTÊNCIA   
Convidados: 
Rayane Penha  (Diretora e realizadora amapaense de audiovisual)
Davi Maworno (Diretor e realizador amapaense)
Classificação indicativa: Livre

19h30:
MOSTRA MEMORABILIA
Classificação indicativa: +14

Entrada Franca

Filmes:






Metroréquiem

Adalberto Oliveira

2019
13min
Recife, PE - Brasil
14 anos
O cotidiano no metrô do Recife transcende os dias, mas nunca o corpo marginal.



Acabaram-se os otários
Rafael de Luna e Reinaldo Cardenuto
2019
19 minutos
Niterói-RJ-Brasil
Livre
Comédia musical caipira de 1929 com direção de Luiz de Barros, “Acabaram-se os otários” é considerado um filme perdido. Tido como o primeiro longa-metragem sonoro brasileiro, dele sobreviveram apenas fragmentos: duas sequências de imagens em movimento, registros sonoros e fotos de cena e de divulgação. A partir de uma ampla pesquisa nos principais arquivos nacionais, que resultou na descoberta desse material remanescente, foi realizada uma reconstituição da obra original, versão que apresenta um vislumbre daquilo que o longa-metragem um dia foi. Os vestígios visuais e sonoros de “Acabaram-se os otários”, em sua maioria inéditos até hoje, recontam a história de dois caipiras atrapalhados que vivem inúmeras desventuras na grande cidade de São Paulo. Cumprindo com um de seus papeis políticos, a Universidade Federal Fluminense, produtora do filme, apresenta um trabalho que alia criação artística, pesquisa histórica e preservação da memória do cinema brasileiro.




Os que esperam
PH Martins
2019
19'12''
Vitória – ES/Brasil
Livre
Cidadãos do interior precisam passar por uma longa viagem num transporte público para receber tratamento médico na capital de seu estado.












Tupinambás - Vozes da Caminhada
Rodrigo Brucoli
2019
14:51min
Olivença – Ilhéus/BA - Brasil
Livre
Há 18 anos, todas as aldeias da terra indígena de
Olivença, na Bahia, se reúnem na Caminhada Tupinambá. Suas vozes expõem a
força dos mártires do passado e as principais lutas que os povos indígenas
enfrentam hoje para poder exercer a sua identidade.














Deus te dê boa sorte
Jacqueline Farias
2019
23min
Petrolândia, Tacaratu, Jatobá - Pernambuco - Brasil
Livre
Deus te dê boa sorte é um curta-metragem documental que revela a voz ancestral das mulheres parteiras indígenas Pankararu. Habitantes das margens do Rio São Francisco, na fronteira dos municípios de Tacaratu, Jatobá e Petrolândia, essas mulheres de espiritualidade antiga, carregam a experiência de receber no mundo os pequenos índios e índias e de garantir que sangue, placenta e cordão umbilical retornem para a terra, guardando o direito de que habitem o chão onde nasceram. Mãe Dora, tia Ana, Luciene e Juliana são guias nesta viagem que descortina entre maracás e toantes uma herança silenciosa onde cada mulher é a guardiã de um grande mistério.



Licença Poética
Ilaine Melo
2019
13MIN.
Joinville/Santa Catarina/ Brasil
14 anos
O Documentário ocorre dentro da Penitenciária de Joinville. Quando um leitor, Felipe, apenado recebe a visita do escritor Marçal Aquino. O encontro se dá para uma discussão literária sobre um dos livros de Marçal.
A cela representa o ponto máximo de exclusão social, a marca indelével de segregação legal do indivíduo ao longo de sua história. No entanto, como um tipo de contrapeso, a literatura não exclui nenhum indivíduo, promovendo sua incursão no mundo literário a partir de qualquer espaço. São estes espaços preenchidos pela literatura que trata “Licença Poética”.



Nadir
Fábio Rogério
2019
15 minutos
Aracaju / Sergipe / Brasil
10 anos




Vinde como estais 
Rafael Ribeiro e Galba Gogóia/2019
15 minutos
RJ
Livre

2018. Em um clima pós-eleições, Kit Redstone desembarca na devastada Cidade Olímpica,
Rio de Janeiro. Escritor, diretor e performer teatral radicado em Londres, Kit é um homem
transgênero e vem ao Brasil com o objetivo de produzir uma peça teatral com atores transexuais
no país que mais mata travestis do mundo. Durante o processo, conhecemos esses artistas
e suas perspectivas sobre como é ser LGBTQI+ e artista em um cenário apocalíptico
para as minorias sociais e produtores de cultura no país.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...