04/12/2013

Sinopse 01: um pouco do que vi no início do 10º FIM

Eis que chegamos ao terceiro dia da 10ª edição do Festival Imagem-Movimento! A praça Veiga Cabral recebeu a mostra de abertura nesta segunda 2/12, o filme exibido foi o contundente Belo Monte – Anúncio de uma guerra, mergulho profundo e denso na relação de forças e interesses econômicos que estão por trás da política de implantação de hidrelétricas nos rios da Amazônia a um custo ambiental, humano e social muito grande. O documentário, com seu ritmo forte e depoimentos muito bem selecionados, manteve o público atento e reflexivo. Não faltaram relatos dizendo o quanto o filme emociona, revolta e esclarece. Foi, sem dúvida, um momento importante para o festival exibir essa produção em praça pública e levar informações novas para quem marcou presença na abertura do festival. A noite terminou ao som da Tellón Band que manteve o público na Veiga Cabral depois da projeção com suas levadas diferenciadas do pop rock nacional.



Desmontada a estrutura do telão inflável do Sesc-AP e da não muito carismática reunião de balanço do dia, os preparativos para o segundo dia de programação foram revisados: início do curso de interpretação pra cinema no Teatro Porão e montagem da tela gigante no CDC Azevedo Picanço eram as missões do dia 03/12. Ambas concluídas, mais uma vez, a luz mágica do cinema encontrou a tela e a mágica/ciência da imagem em movimento nos colocou em contato com produções experimentais de variados matizes (Mostra Quintessência) e com um recorte diversificado de curtas metragens representativos da cena independente nacional como o “A dama do Estácio”, protagonizado por Fernanda Monte Negro e “Arthur e o infinito”, produção que trata sensivelmente no autismo na fase infantil.


Seguimos assim para o terceiro dia do FIM, hoje (4/12), chega a Macapá Eduardo Morotó, trazendo do Rio de Janeiro as ideias que irá socializar em curso de roteiro para cinema e o filme “Todos esses em que sou estrangeiro” que será exibido pela primeira vez em Macapá, dia 7/12, na mostra da Muralha, na Fortaleza de São José de Macapá.


A programação segue hoje no Centro de Difusão Cultural Azevedo Picanço, com a mostra Memorabilia, a partir das 19h, com entrada franca. Acontecerá também a mostra itinerante na praça da caixa d’água do Buritizal com classificação indicativa livre. Então já sabe: pode levar toda a família.

Fotos: Sanosuke Helder

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...