06/12/2017

Mostra Memorabilia apresenta produção documental no 14º FIM

Seguindo a programação do 14º FIM, o Festival apresenta a Mostra Memorabilia, dedicada a produção documental. A sessão acontece nesta quarta-feira, 6 de dezembro, na Biblioteca Pública Elcy Lacerda, a partir das 18h30, com entrada franca e classificação 14 anos.
Este ano, a sessão é composta por 10 filmes, entre médias e curtas-metragens, sendo 6 inscritos e 4 convidados. As Regiões Norte, Nordeste, Sul e Sudeste estão representadas em produções provenientes dos estados do Pará, Ceará, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Além de uma produção Brasil/Bolívia.
No dicionário, memorabilia é descrito como “fatos ou objetos, dignos de serem rememorados, que se guardam na lembrança ou como lembrança”Os documentários, independente do tema, tendem a somar para a memória coletiva, enquanto registro dos mais variados aspectos da vida, preservando momentos, pontos de vista, realidades, personalidades, acontecimentos... E a Mostra Memorabilia apresenta um rico recorte da produção audiovisual documental brasileira.
Confira os filmes em exibição:
PISKA
Direção: Nelson Brauwers e Andruz Vianna
Ano: 2016
Duração: 19’41”
Origem: Braga (RS)
Classificação: Livre
Sinopse: O curta metragem conta a história do cantor Dorli Benedito Falsete, mais conhecido como Piska, que viveu o sucesso e a boemia nos anos 70 e 80 e hoje, no ocaso da sua carreira vive a necessidade de continuar cantando.

NO CAMINHO DAS PEDRAS
Direção: Alexandre Nogueira e Fernando Segtowick
Ano: 2017
Duração: 22’
Origem: Ananindeua (PA)
Classificação: Livre
Sinopse: Era uma vez um conde muito rico, senhor de escravos, que teve três filhas com sua escrava Olímpia: as três Marias. O Conde não queria sujar os pés na lama, e obrigou os escravos a construir uma trilha: O Caminho das Pedras.

CLAUSURA
Direção: Mariana França e Gildo Antonio
Ano: 2016
Duração: 29’55”
Origem: São Bernardo do Campo (SP)
Classificação: 14 anos
Sinopse: Infelizmente a depressão ainda é vista com certo tabu e preconceito em nossa sociedade. O documentário “Clausura” tem como principal proposta possibilitar a quebra de tais estigmas, ao aproximar o público do tema por meio da arte. No filme, artistas da cidade de São Paulo descrevem sobre a convivência com a doença e como isso interfere em seus processos criativos.

MESTRES PRAIANOS DO CARIMBÓ DE MAIANDEUA
Direção: Artur Arias Dutra
Ano: 2015
Duração: 15’
Origem: Maiandeua (PA)
Classificação: Livre
Sinopse: Documentário que vivencia a música, cotidiano e raízes dos Mestres Praianos do Carimbó de Maiandeua, Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil.

LOUÇA DE DEUS
Direção: Eudaldo Monção Jr.
Ano: 2016
Duração: 13’45”
Origem: Nazaré (BA)
Classificação: Livre
Sinopse: Bahia, séc. XIX, Patrício saiu do povoado de Maragogipinho, pelo Rio Jaguaripe, em uma canoa abarrotada de miniaturas de pratos, moringas e panelas feitas de barro, até a cidade de Nazaré das Farinhas. Chegando lá, Patrício expôs suas peças na antiga praça do porto, durante a semana santa. A população gostou, principalmente a criançada que se divertia com os novos brinquedos. No ano seguinte, Patrício estava de volta com trabalhos mais sofisticados, com novas formas de objetos em barro. Assim começou a Feira de Caxixis, o maior evento ceramista da América Latina. Atualmente, toda quinta-feira santa, começa uma grande movimentação na Praça dos Arcos no centro de Nazaré, constituindo-se num espetáculo a parte com a chegada dos oleiros, que todos os anos, retornam a cidade, com inúmeras peças de variados modelos e formatos, dando continuidade à tradição.

CANDEIAS
Direção: Reginaldo Farias e Ythallo Rodrigues
Ano: 2017
Duração: 19'17"
Origem: Juazeiro do Norte (CE)
Classificação: Livre
Sinopse: Candeias é torrente de luz, um imenso rio iluminado de fé, por sertanejos simples, a desaguar num mar de promessas realizadas e anseios pelo porvir. É o instante em que se entoa forte cada bendito e oração. É estar em Juazeiro do Norte, terra-santa inventada por Padre Cícero, e na qual no caminho, de idas e vindas, nunca ninguém se perdeu.

MARAJÓ DAS LETRAS
Direção: Fernanda Martins
Ano: 2017
Duração: 30’
Origem: Belém (PA)
Classificação: Livre
Sinopse: O documentário ‘Marajó das Letras’, é fruto da segunda etapa do projeto Letras que Flutuam, que mapeia os mestres pintores de barcos da ilha do Marajó, chamados abridores de letras. Este saber difuso pode ser encontrado ao longo dos rios da Amazônia, onde cada município apresenta suas características próprias. Como a pintura de letras de barcos representa a paisagem marajoara? Como este cenário é apresentado pelos abridores de letras? O curta navega pelas diversas manifestações culturais que influenciam essa expressão artística, desde os tipos de embarcações, às variadas técnicas de pintura de letras de barcos; da estética urbana das aparelhagens de tecnobrega ao tradicional carimbó. Estas são algumas das características reveladas nesta obra que traz não só uma visão documental das letras decorativas amazônicas, mas também a poética por trás dos traços destes artistas, que flutuam nas águas do gigantesco arquipélago do Marajó.

CINE IDEAL
Direção: Ricardo D'Almeida
Ano: 2016
Duração: 20’
Origem: Rondon do Pará (PA)
Classificação: Livre
Sinopse: O Cine Ideal foi um lugar de filmes, de histórias e de encontros que marcaram vidas para sempre. Do seu porão, lacrado há décadas, surgem relatos de um possível acervo escondido. Narrativas orais se transformam em desenhos que ajudam a reconstituir memórias de vivências na mais nova fronteira de desenvolvimento que se abria nos anos 70, a Amazônia, onde os filmes de bang-bang que faziam tanto sucesso, por vezes imitavam a vida real.

ROSARIO
Direção: Renato Vallone
Ano: 2017
Duração: 10’
Origem: Brasil/Bolívia
Classificação: Livre
Sinopse: Rosario caminha todos os dias em uma estrada de terra para terminar seu curso na Escola de Professores de Puerto Rico, na Bolívia. Em um momento especial, onde a escola se prepara para o ano novo andino, Rosario transborda a celebração e se integra à paisagem do renascimento. É o momento de culto a Pachamama (Mãe Terra) e ao Tata Inti (Deus Sol). 

LALU DE OURO - O PRIMEIRO MESTRE SALA
Direção: Becca Lopes
Ano: 2014
Duração: 20’52”
Origem: Rio de Janeiro (RJ)
Classificação: Livre
Sinopse: Na evolução das entidades carnavalescas do Rio Antigo, início do século XX, do morro da Conceição na Gamboa e das festas na Igreja da Penha, surgiu a figura de Hilário Jovino Ferreira (Lalu de Ouro), o primeiro mestre sala do carnaval carioca.
SERVIÇO:
14º FIM – Mostra Memorabilia
Data: 06 de dezembro
Horário: 18h30
Local: Biblioteca Pública Elcy Lacerda
Duração: 3h18
Classificação: 14 anos


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...